Belo Horizonte – parte III

No quarto dia de viagem, eu e minha família visitamos três exposições em um dia só! Os museus ficam muito próximos um dos outros, só usamos táxi para ir do hotel até a praça onde ao redor tem as atrações.

Essa é a Praça da Liberdade, linda! Fomos em uma quinta-feira, haviam várias famílias, amigos, casais no parque. Dá vontade de sentar na grama e ficar lendo o dia todo ❤

007

A primeira parada foi o Espaço do Conhecimento UFMG. A exposição principal se chamava “Demasiado Humano” e eram explorados vários temas como a origem do universo, o surgimento da espécie humano e o povoamento da Terra, o papel da escrita, a globalização, os diálogos culturais e a diversidade linguística. Depois da exposição ainda fomos ao planetário (programação para agradar meu irmão que é apaixonado por astronomia hahaha).

008

014

 

Mēbêngôkre karō #vscocam

A post shared by Larissa (@i.lari.lari.e.o.o.o) on

 

De lá fomos ao Centro Cultural Banco do Brasil, onde havia a exposição “Ciclo – criar com o que temos”, que com a mostra de 12 artistas contemporâneos celebrava o centenário dos primeiros ready-made do Marcel Duchamp.

"Confundir caos com liberdade é embaraçoso" #vscocam

A post shared by Larissa (@i.lari.lari.e.o.o.o) on

Dá pra acreditar que essa obra foi feita com centenas de palitos de dente?

Essa aqui foi feita com fitas VHS. Quem lembra delas? Incrível!

Tayeba, artista de Bangladesh montou essa banheira só com giletes de barbear. Minha favorita!

 

Esse aqui foi feito por copos descartáveis. Inacreditável!

Esse aqui foi feito por copos descartáveis. Inacreditável!

Depois da exposição, fomos tomar um café no Café com Letras Liberdade que fica no pátio do Centro Cultural. Lugar super aconchegante e com bebidinhas deliciosas! Lá, um estagiário nos indicou a exposição “Quasepoema” com cartas e escritas de Carlos Drummond de Andrade. Eu apaixonada que sou fui correndo!

Cartas e outras escritas Drummondianas #vscocam

A post shared by Larissa (@i.lari.lari.e.o.o.o) on

 

Há uma ou duas quadras de distância da Praça da Liberdade, na Casa Fiat de Cultura, a mostra articulava a relação entre Drummond e sua mãe com a poesia entre as cartas que eram trocadas. Muito emocionante, queria ficar lá o resto da viagem! Não sei se cheguei a falar aqui mas escrevo (tenho um blog só de poesia) e Drummond é um dos poetas que mais admiro. Toda essa questão de existencialismo e política em suas obras me motivam na minha escrita. Fangirl mesmo!

016

Links úteis:

Esse foi o fim dos posts sobre Belo Horizonte. Selecionei nesses três posts as melhores partes da minha viagem. Espero que vocês tenham gostado!

Beijos da Lari.

Anúncios

Comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s